9 min read 

A Teoria das Ondas de Elliott é um método complexo que pode levar meses e até anos para ser dominado. É um método que pode ser adequado apenas para traders que abordam o mercado com seriedade e se esforçam para atingir a competência profissional. Hoje, veremos os fundamentos desta abordagem e veremos como ela pode ser aplicada à negociação. O método é descrito completa e extensamente pelo autor no livro “The Wave Principle”, publicado em 1938.

A história da Teoria das Ondas de Elliott

Nos idos de 1930, um economista americano Ralph Elliott, em uma tentativa de se manter ocupado e distraído de sua doença, começou a analisar gráficos de preços horários, diários, semanais, mensais e anuais de vários índices, a fim de descobrir se havia alguma semelhança em padrões. Ele acreditava que havia uma razão para cada movimento e examinou gráficos cobrindo 75 anos de dados do mercado de ações.

Em maio de 1934, os resultados das observações de Elliott começaram a formar um conjunto geral de princípios do comportamento do mercado de ações. Elliott afirmou que, embora a atividade do mercado possa parecer aleatória e dispersa, na realidade ela segue leis previsíveis e pode ser medida usando números de Fibonacci.   

Ondas motrizes e corretivas

Ralph Elliott sugeriu que as tendências nos preços dos mercados financeiros resultam diretamente da psicologia dos investidores e as oscilações na psicologia de massa sempre se manifestaram nos mesmos padrões. Elliott descobriu que os preços se movem de forma impulsiva (motivo) e corretiva. Os movimentos de preços que se repetem um após o outro são chamados de ondas. Eles podem ser divididos em dois tipos.

As ondas motrizes consistem em 5 ondas: 3 grandes movimentos de preços na direção da tendência de alta e 2 correções. Essas ondas são rotuladas como ondas 1, 2, 3, 4 e 5, respectivamente. Existem várias regras a serem observadas ao encontrar essas ondas:

  1. A terceira onda (segunda onda de impulso) é geralmente a maior da sequência. As ondas 1 ou 5 não podem ser maiores que a onda 3.
  2. Quando a onda 3 é a onda de impulso mais longa, a onda 5 será quase igual à onda 1 em comprimento.
  3. A estrutura para as ondas 2 e 4 será alternada: se uma for uma correção aguda, a outra será uma correção plana e vice-versa.
  4. O máximo da onda 3 deve ser maior do que o máximo da onda 1 (caso contrário, é necessário reiniciar a contagem das ondas). As ondas devem estar progredindo.

As ondas corretivas consistem em 3 ondas: um impulso para baixo, uma correção para cima e outro impulso para baixo. Essas ondas são rotuladas A, B e C. Como regra, as ondas corretivas A, B e C geralmente terminam na área da baixa anterior da onda 4.

Negociar com a Teoria das Ondas de Elliott
Padrão de ondas impulsivas e corretivas

Tanto as ondas motrizes quanto as corretivas podem ser vistas na imagem acima. É importante observar o comprimento das ondas, bem como suas proporções. A onda 2 tem normalmente 60% do comprimento da primeira. A onda 3 é geralmente muito maior do que a onda 1, e a onda 4 que vem a seguir geralmente é 30% ou 40% da onda 3. As mesmas regras são aplicadas para uma tendência de baixa.

Como usar essa teoria na prática?

Existem muitas maneiras de aproveitar as vantagens da Teoria das Ondas. No entanto, aplicar a teoria na prática pode ser bastante desafiador. É importante lembrar as regras da sequência das ondas para construí-las corretamente no gráfico.

A estrutura da onda sugere que o preço se move em ciclos. Por exemplo, depois de três grandes movimentos para cima, a tendência de alta provavelmente estará próxima do fim e os preços provavelmente cairão. Para uma tendência de baixa, seria o oposto: após três grandes movimentos para baixo, é provável que a tendência de baixa termine e os preços comecem a subir.

Esses movimentos são fractais, o que significa que podem ser encontrados em tipos de gráficos maiores e menores. As ondas ajudam a determinar a direção da tendência e um possível momento para uma entrada. 

Por exemplo, essa estrutura pode ser encontrada em um gráfico mensal das ações da Amazon. É claramente visível que o preço subiu primeiro em um ciclo de 5 ondas, seguido pelas 3 ondas corretivas.

Negociar com a Teoria das Ondas de Elliott
A Teoria das Ondas de Elliott aplicada a ações da Amazon

Encontrar as ondas e analisar o gráfico desta forma pode ajudar o trader a tomar decisões em relação a negociações futuras. O possível método que um trader pode utilizar é entrar em posições de compra durante as retrações (ondas corretivas) durante as tendências de alta, por exemplo. Isso, se feito corretamente, pode permitir que um trader “surfe” a próxima tendência de alta conforme o preço sobe para a próxima máxima. 

As negociações de venda podem ser executadas durante ondas corretivas em uma tendência de baixa para possivelmente se beneficiar da tendência de baixa do mercado. 

Conclusão

Compreender a Teoria das Ondas de Elliott pode melhorar suas habilidades de análise de mercado e ajudar a estabelecer o melhor momento para as entradas na negociação. No entanto, este é um método complexo que requer muita pesquisa e não pode garantir resultados 100% precisos. Esta abordagem é mais adequada para traders experientes que já possuem habilidades de análise técnica acima da média. 

Negocie agora