8 min read 

À medida que a Bitcoin continua a alcançar novos recordes de preços, os investidores estão cada vez mais atentos à moeda. Ao mesmo tempo, a proliferação das criptomoedas também não passou despercebida aos olhos dos governos mundiais. A reação inicial foi variada. Alguns anteciparam-se a regulá-las, como o governo dos EUA que classificou a bitcoin como uma moeda virtual permutável descentralizada em 2013. Outros, como o Nepal e o Equador, tornaram-nas ilegais. Na maioria dos países, no entanto, as criptomoedas ainda permanecem em um estado de vácuo legal.

Muitos governos estão agora a perceber que as criptomoedas não são um fenómeno passageiro, mas que têm o potencial de afetar permanentemente a estrutura financeira mundial. Por essa razão, estão a desenvolver “criptomoedas nacionais” que podem gradualmente substituir as moedas fiduciárias. Aqui está uma breve visão geral dos desenvolvimentos em uma seleção de países:

  • Rússia – Em outubro, a Rússia anunciou que emitirá a CryptoRuble, que não pode ser minada e que será controlada pelo governo russo.
  • China – Depois de criticar as trocas de Bitcoin em setembro passado, o governo chinês anunciou planos para introduzir uma criptomoeda nacional.

Chinese crypto

  • Índia – O governo indiano advertiu repetidamente a sua população sobre os riscos de volatilidade colocados pelas criptomoedas. Apesar disso, o Reserve Bank of India está a estudar a introdução de uma moeda digital para substituir a rupia em transações online.
  • Singapura – A Autoridade Monetária de Singapura já implementou a primeira fase da tokenização do Dólar da Singapura usando uma cadeia de blocos Ethereum privada.
  • Venezuela – No dia 4 de dezembro, a Venezuela anunciou que em breve começaria a emitir o “Petro”, uma criptomoeda nacional apoiada pelas reservas de petróleo, ouro e gás do país.
  • Estónia – A Estónia, um dos países mais experientes em tecnologia, propôs a criação de uma criptomoeda nacional denominada “Estcoin”.
  • Quirguistão – O Quirguistão, um grande produtor de ouro, está planeando lançar uma criptomoeda com base no ouro, intitulada de “GoldenRock”.
  • Catalunha – Embora seja uma parte integrante da Espanha, a região autónoma está a considerar introduzir a sua própria moeda digital quando, e se, conseguir a sua independência. O governo local pretende modelar a moeda com base no projeto “Estcoin” da Estónia.

As vantagens de usar criptomoedas como solução ao dinheiro fiduciário são variadas, tanto para indivíduos como governos:

Inflação dos Fundos de Cobertura – Com uma estrutura de emissão limitada incorporada na cadeia de blocos, as criptomoedas tendem a contrariar a inflação por natureza. Não é uma coincidência que, nos países que sofrem de hiperinflação, notadamente Venezuela e Zimbabué, estas se tornam um meio de pagamento cada vez mais frequente.

Nicolas MaduroO número de utilizadores venezuelanos cresceu de 450 em agosto de 2014 para mais de 100 mil atualmente. Neste momento, alguns dos comerciantes do país aceitam exclusivamente Bitcoin como forma de pagamento. A eletricidade barata da Venezuela, devido ao colapso do valor da moeda, também levou a um impulso nas operações de mineração de Bitcoin. No Zimbabué, a forte procura trouxe um prémio nos preços locais da Bitcoin de até 70% acima da média global.

Redução dos Custos de Transação – As transferências de moeda em moedas digitais são praticamente instantâneas, sem comissões e sem erros devido à cadeia de blocos.

Melhoria do sistema de cobrança de impostos – Os governos poderão supervisionar todos os pagamentos gerados no setor privado e taxá-los em conformidade. Isso aumentaria as receitas do governo, reduziria os custos de regulamentação e diminuiria a evasão fiscal e a economia paralela e do mercado negro. A Bitcoin sofreu pressão em vários países devido à sua associação com o branqueamento de capitais e evasão fiscal. A criação de uma criptomoeda sob controle do governo permitiria, portanto, que um país se beneficiasse das vantagens da Bitcoin, ao mesmo tempo em que elimina os seus potenciais riscos económicos e sociais.

Eliminação de Esquemas Fraudulentos e de Contrafação – Não é possível falsificar uma criptomoeda com base em uma cadeia de blocos. Isso torna a fraude financeira quase impossível, reduzindo os custos policiais dos governos.

No geral, parece que a corrida global para digitalizar as moedas está nas suas fases iniciais. Os países estão a aperceber-se que quem criar primeiro criptomoeda nacional viável colherá os benefícios do aumento do interesse dos investidores, novos investimentos e uma vantagem tecnológica do primeiro movimento. Podem ser esperadas cada vez mais iniciativas semelhantes no futuro, já que a popularidade de Bitcoin e das criptomoedas continua a aumentar.

Negocie aqui